Imortalidade » Espírito/Alma

IMORTALIDADE O ALVO FINAL DE TODA PESSOA. O GRANDE SEGREDO DESSA VIDA É A MORTE FÍSICA, SABENDO QUE DEPOIS DELA A EXISTÊNCIA DUMA PESSOA CONTINUA.

Deus preparou um caminho para as pessoas que desejarem ir para o céu quando morrerem.

HEBREUS 9.27: NTLH CADA PESSOA TEM DE MORRER UMA VEZ SÓ E DEPOIS SER JULGADA POR DEUS. A SALVAÇÃO É O ALVO DE TODA PESSOA. O homem tem o direito a continuar desfrutando de sua existência. A morte física afeta somente o corpo terreno, não sendo nem a cessação da vida e nem da consciência. Medite Lucas 16.19-31: A alma e o espírito vivem independentes da morte do corpo terreno, o qual é descrito como “tabernáculo”, tenda, no qual esse “eu” espiritual de toda pessoa habita. Realidades espirituais a que toda pessoa deveria ter entendimento a respeito. Há uma Vida Humana vivida através do corpo físico; e, após a perda desse corpo (morte) o homem interior de toda pessoa 2 Coríntios 4.16. ARC parte para aquelas regiões celestiais. A terra é o primeiro estágio de vida duma pessoa, um período preparatório para a continuação de sua existência pós Morte. Breve comentário. O pecado entrou no mundo trazendo a morte, que é um resultado natural. Todos os homens morrem; e essa morte simboliza a morte eterna daqueles que rejeitam a Cristo e a sua Salvação. A morte reina sobre este mundo: a física e a espiritual, e isso deve ser de conhecimento a todos. Mas, eis que interveio um poder maior, que reverteu tudo isso, ou seja, retomou esse poder de Satanás, a saber, a retidão e a vida que vem por meio de Jesus Cristo, mediante o que a graça reina e excede para a Vida Eterna. A morte física é apenas uma passagem para os Céus, pois, na realidade não há morte. O verdadeiro homem, seu ser espiritual continua vivo.

VOCE JÁ SE DECIDIU PARTICIPAR DA SUA VIDA ETERNA?

Não deixe o espírito maligno da dúvida participar desse teu julgamento pessoal! 

1 Pedro 2.11: Queridos amigos, lembrem que vocês são estrangeiros de passagem por este mundo. Peço, portanto que evitem participar das vontades carnais extremas, que estão sempre em conflito com a vossa alma. Bem, O Espírito Santo, nos adverte que todo crente, para ser autêntico, terá de sentir-se como estrangeiro/peregrino neste mundo. Aqueles que não são peregrinos, dificilmente podem pertencer ao grupo seleto dos eleitos. A pessoa que somente observa a batalha espiritual, jamais obtendo uma vitória no conflito contra o mal, dificilmente pode ser considerado como irmão de Jesus Cristo. Existem adversários espirituais e humanos, que fazem guerras contra as nossas almas e que ameaçam a nossa salvação. O verdadeiro crente, entretanto, vence a todos eles. Apo. 2.17: “aquele que vencer”, é a descrição do crente genuíno. Coisa nenhuma foi prometida àqueles que não vencerem. Não existem cristãos legítimos, senão aqueles que vencem. Talvez tenham de se sair perdedores em muitos combates, mas jamais desistem da batalha: suas vidas são vitoriosas. É isso que o Evangelho requer de nós. Não se engane a esse respeito, a alma pode sofrer prejuízo e até ser uma das vítimas dessa guerra. O poder do pecado e das forças malignas é perfeitamente real em nosso mundo; e nenhum homem se acha tão elevado e é tão piedoso, que esteja livre dos ataques da iniquidade. Assim também em Efésios 6.11-12: a figura da guerra espiritual é empregada com ênfase sobre a armadura apropriada e necessária, para que possamos resistir aos ataques do inimigo. A história da humanidade consiste essencialmente na descrição dessa luta entre as forças do bem e as forças do mal. A lealdade do homem deve ser dada ou a Deus ou às forças adversárias do mal. Vê-se, pois, que as ambições ou desejos desmedidos; ganância por poder, dinheiro, cobiça, libidinagem carnal pode abater a alma, levando-a ao cativeiro, furtando-lhe sua liberdade espiritual, alienando um homem de Deus, de outros homens, e até de si mesmo. Esses desejos degradados podem excluir-nos dos Céus, tornando-nos exilados espirituais. Esses são os inimigos da paz, do consolo e do bem-estar espiritual da alma; que por estar no corpo físico, atacando o próprio ser espiritual dessa pessoa, sendo os piores adversários que o homem tem: devemos manter-nos vigilantes quanto a eles. 

Romanos: 7.21-23: Acho então esta lei em mim, que, mesmo eu querendo fazer o bem, o mal está comigo. Porque, de acordo com o homem interior, tenho prazer na lei de Deus; mas, vejo nos meus membros outra lei guerreando contra o meu entendimento, me levando cativo à lei do pecado, que está nos meus membros.

APOCALIPSE 2.11: QUEM TEM OUVIDOS, OUÇA O QUE O ESPÍRITO SANTO DIZ: O QUE VENCER, DE MODO ALGUM SOFRERÁ O DANO DA SEGUNDA MORTE. 

O vencedor aparece como alguém que não pode ser atingido pela segunda morte, o que não é nenhuma promessa pequena. Tremendas bênçãos espirituais são prometidas aos vencedores, e são oferecidas exclusivamente a esses. Que diremos sobre os restantes dos cristãos? A resposta é clara: essas bênçãos espirituais nas regiões celestiais não poderão ser oferecidas àqueles que não se atiram à batalha a fim de vencerem. O arrependimento nada será se não resultar em conversão genuína. A conversão nada será se não resultar em santificação. E, na vida cristã, a lealdade a Cristo precisa ser mantida a todo custo, pois que de outra maneira, não poderemos ser transformados segundo a imagem de Cristo, assim chegando ao estágio superior de glorificação. Somente os vencedores, é que são os verdadeiros crentes; os demais são apenas espectadores na igreja. Supostamente se converteram, mas apenas supostamente. Na Bíblia, estão todas as demais questões que envolvem a Salvação. Nas revistas Semeando a Palavra de Deus você encontrará estudos bíblicos como auxílio complementar. Então que falta decidir teu futuro? Você tomar decisões! Insista, persista, mas nunca desista só assim você conseguirá! Fé! Somos Cristo; Cristo em formação, filhos de Deus. Cristãos. Lembremo-nos da vida Dele; foi uma vida magnífica, que antecedeu a sua morte. Sua vida deve ser vivida por nós, hoje em dia. Para o mundo nós somos o Cristo que os homens conhecem. Então: A primeira morte, a morte física, não prejudica o crente. A morte não mata. A segunda morte (a morte espiritual) não exercerá qualquer domínio sobre ele.


2 Coríntios 4.16: Por isso não desanimamos, ainda que o nosso homem exterior se esteja consumindo, o interior se renova dia após dia.

Não perdemos a coragem! Por quê? Por causa da nossa fé e da esperança que temos na vitória da vida sobre a morte e dos sofrimentos que passamos. Observamos claramente a verdadeira felicidade e a verdadeira coragem, que não podem depender das circunstâncias externas de nossa vida mortal; dependendo sim do destino espiritual que vamos dar ao nosso homem interior. 1 Tessalonicenses 5.23: Neste momento informo a você que toda pessoa é um espírito, o homem real, possuindo alma que cuida do nosso âmbito mental, nosso intelecto, as sensibilidades e a vontade, que raciocina e pensa. A alma é quem dá suporte ao homem exterior, nosso corpo físico, a casa em que habitamos a porção do homem que conhecemos que lida com o âmbito físico. A alma também atende aos anseios e desejos do espírito humano, ou seja, a dimensão do homem que lida com o âmbito espiritual. O espírito é quem se relaciona com Deus. Não pense que você é só aquilo que é retratado num espelho. Não se considere simplesmente como uma pessoa física, mas espiritual, que possui uma alma, habitando num corpo físico apropriado para esta vida terrena. “... se esteja consumindo, se corrompendo...”. O corpo não tem condições de resistir aos ataques do tempo e das enfermidades físicas: Cada pessoa tem seu tempo de vida apropriado. Uns mais outros menos. Mas, a morte um dia chegará para todos. “... homem interior se renova dia após dia...”. A porção imaterial da natureza humana. Neste contexto, o homem interior, aqui como homem redimido, sujeito ao poder transformador do Espírito Santo. A carne vai decaindo, morrendo, mas o espírito humano vai evoluindo para uma vida mais completa. Essas duas verdades estão vinculadas entre si. A energia do corpo gasta em favor de Cristo e no trabalho do reino vai sendo transformado na energia do espírito (humano) vivo. O espírito humano não pode envelhecer, mas vai sendo sempre renovado em sua juventude, pois pertence ao mundo eterno, e não a este mundo do tempo e da dissolução; e o Espírito Santo é o agente dessa renovação. O horror da morte, que persegue a todos os homens, e, que um dia chega para todos; para nós cristãos, na realidade esse dia será um motivo de festa, alegria, visto que nos libera para uma vida superior, a saber, o Reino de Deus.

IMORTALIDADE HUMANA 2 CORÍNTIOS 5-1-10.

Números 23.19: NVI Deus não é homem para que minta, nem filho de homem para que se arrependa. Acaso Ele fala, e deixa de agir? Acaso promete, e deixa de cumprir?

2 Coríntios 5.1: NTLH Nós sabemos que, quando for destruída esta barraca em que vivemos, que é o nosso corpo aqui na terra, Deus nos dará, para morarmos nela, uma casa no céu (um novo corpo para revestir nosso ser espiritual: espírito/alma). Essa casa não foi feita por mãos humanas; foi Deus quem a fez, e ela durará para sempre. O nosso corpo físico caminha para a morte Hebreus 9.27: Está dito aqui a imortalidade que deve ser o alvo de todas as pessoas. Não confunda imortalidade com ressurreição de nosso “corpo físico” que é tratado no capítulo 15 de 1 Coríntios. Viver para sempre esta é a promessa! Mas, há condições espirituais a serem observadas. Este nosso corpo que conhecemos é temporário; teremos da parte de Deus um templo eterno, sem fim – um corpo espiritualizado – para abrigar nosso ser espiritual. Então, dentre todas as verdades contidas na Palavra de Deus, o fato e o significado da imortalidade são as melhores e mais profundas promessas para a continuidade de nossa existência; naturalmente, como está escrito, é de imediato, após a perda do corpo terreno, como o Senhor nosso Deus nos faz saber; mas você tem que estar preparado para esse momento de sua existência nos céus. 2 Timóteo 4.6-7: NTLH Quanto a mim, (Apóstolo Paulo) a hora já chegou  de eu ser sacrificado, e já é tempo de deixar esta vida. BVP Digo isto porque eu não estarei por perto para auxiliá-lo muito tempo mais. Meu tempo está quase terminado. Daqui a pouco eu estarei a caminho do céu. NTLH (7) Fiz o melhor que pude na corrida, cheguei até o fim. É você quem dá continuidade à sua existência. Pense.

Deus preparou um caminho para as pessoas que desejarem ir para o céu quando morrerem.

2 Coríntios 5.2: Por isso gememos enquanto vivemos nesta casa, pois gostaríamos de nos mudarmos já para a nossa nova casa no céu. Aquela casa será o nosso corpo celestial, Por Que a Nossa Alma Geme? – manifesta sofrimento, dor –! Em virtude do nosso corpo físico ser limitado às condições de violência urbana, desastres ambientais, pela fraqueza, nossa fragilidade humana, pela dor, enfermidades, mal  estar físico e psíquico, aflições, agonias, depressão, estresse, uma vida de incertezas, de receios, sempre pela expectativa de perigos iminentes e diante dos quais nos julgamos indefesos e, continuamente pela ameaça de morte. Então, o corpo celestial espiritualizado que receberemos de Deus para nosso ser espiritual, será eterno. Dentro desse contexto o apóstolo Paulo manifestou sua vontade em Filipenses 1.23-25: Quero muito deixar esta vida e estar com Cristo, o que é bem melhor; porém, por causa de vocês, é necessário que eu continue a viver, e assim ficarei com todos vocês para ajudá-los a progredirem para aquela vida espiritual nos céus..

Na  morte, o ser espiritual duma pessoa deixará seu corpo sem vida, continuando a existir.

Onde viveremos, entretanto, cabe a nós decidir, não a Deus

2 Coríntios 5.3: Porque nós não seremos apenas seres espirituais sem corpos.

Não é simplesmente passarmos para o mundo espiritual despidos, e, sim é de sermos revestidos: em que a nossa alma receberá o revestimento do corpo espiritual.

Você está sendo chamado a participar dessa vida Eterna...é sua a escolha!

2 Coríntios 5.4: BVP Este nosso corpo terreno nos faz gemer/suspirar, não gostaríamos de pensar em morrer e depois não possuir corpo algum. Desejamos revestir-nos do nosso novo corpo, de maneira tal que este corpo mortal seja, absorvido pela vida eterna, imortalidade.

Bloomfield ensina: Enquanto estivermos neste corpo terreno, embora gemendo debaixo da carga de muitas aflições, contudo, o nosso desejo não é tanto o de nos desfazermos deste corpo, e assim nos virmos libertos desses males, mas antes, a nossa ansiedade consiste em sermos revestidos de um corpo celeste, a saber, o nosso corpo que não se deteriora, não morre, que tem vida eterna.

Romanos 8.1-39: Mas você tem que mudar suas atitudes espirituais.

2 Coríntios 5-5: Isso é o que Deus preparou para nós e, como garantia, Ele nos dá o seu Espírito Santo. Porquanto Deus é a fonte originária de toda a vida, da vitória e do bem estar espiritual de toda pessoa. Quero que você saiba, você descrente, afastado de Deus, não existir imortalidade digna de ser possuída, vivida, se não for acompanhada do Deus Altíssimo, através de Cristo Jesus 1 Timóteo 2.5: visto que Ele é quem garante que a eternidade será um autêntico portão para uma existência superior e mais proveitosa do que esta que vivemos neste mundo. Entenda, você será a mesma pessoa com todos os seus atributos, seu caráter imutável, com sua própria identidade; como você é aqui com suas feições e características próprias, suas, lá nos céus é como serás conhecido, como o mesmo indivíduo que aqui habitava. Medite Lucas 16.19-31: A fim de garantir a vitória desta vida imortal em nós, o Espírito Santo é dado aos cristãos, sendo Ele quem, na realidade, nos transforma segundo a imagem de Cristo, criando em nós a sua própria vida. É necessário o poder de Deus para que a imortalidade seja realizada com êxito; e o Espírito Santo é justamente esse poder. Atente para esta verdade. E, sem o Espírito de Deus, nossa passagem para a vida eterna, não existirá.

Apocalipse 2.11: “Portanto, se vocês têm ouvidos para ouvir, então ouçam o que o Espírito deDeus diz:” “Aqueles que conseguirem a vitória não sofrerão o castigo da segunda morte”.

Você tem o direito de conhecer a verdade sobre aquilo que o espera após a morte. Mas, todos têm o direito de acreditar naquilo que querem; muitas pessoas estão firmadas em mentiras.

2 Coríntios 5-6: Agora nós ansiamos confiadamente pelo nosso corpo celestial, e compreendemos que cada instante que gastamos neste corpo terreno, é tempo gasto longe do nosso lar eterno, no céu com Jesus. Não devemos lamentar com tristeza pelo falecimento de familiares e amigos, eles não estão mortos, se foram antes de nós.

1 Pedro 2.11: Ao nos tornarmos cristãos, escolhemos sermos visitantes aqui na terra. O Nosso verdadeiro lar passa a ser os Céus, portanto  se afastem dos prazeres malignos deste mundo; eles não são para vocês, pois lutam contra suas próprias almas.

2 Coríntios 5-7: Sabemos que essas coisas são verdadeiras pelo que cremos.Temos que aprender a conviver com essa realidade espiritual – acreditar na imortalidade. Fé. Nosso andar cristão em nosso presente modo de viver deverá ser de conformidade com a Fé, que é a visão do nosso espírito. O corpo terreno, físico, sem seu ser espiritual, está morto, não é o que testemunhamos nos cemitérios? Para muitas pessoas tudo termina na “única” morte (sic). Vão se arrepender dessa forma errônea de compreender sua própria existência. O arrependimento tem que ser nessa vida terrena, pra isso ela existe. Hebreus 11.1: A fé é o meio das realidades pelas quais esperamos (pelas promessas de Deus), bem como a confirmação das coisas que no momento não vemos. Agora, sem essa Fé Tiago 1.7: Não pense o homem que receberá alguma coisa de Deus. Romanos 12.2: Não confunda a vida humana com a existência espiritual, são realidades diferentes; uma pessoa pode nem dar valor à sua vida espiritual nesta esfera terrena, ela existe, mas, recusou-se a vive-la – é sua escolha. Andar pela fé, não significa que andamos guiados por uma “fé cega”, sem base em razões corretas. Para certos indivíduos, a fé parece ser crer em algo que não é verdadeiro; e quanto mais cegamente creem tais pessoas, mais inalterável imaginam ser a sua fé. Entenda isto! A prova mais compreensível, é a prova espiritual – que muitas pessoas não fazem como destino em sua vida terrena – a comunhão com o Espírito Santo, a confiança íntima que possuímos por meio de sua iluminação espiritual. Essa é uma prova particular do cristão; que não atrai aqueles que não têm essa experiência espiritual. Há muitas formas religiosas estampadas em muros, postes, árvores, na mídia, em certas igrejas, seitas etc, sermos de Cristo, ser cristão é uma delas. Verifiquem nessas religiosidades quais os benefícios que elas trazem! E, escolha, mas, não fique ausente. Neste mundo o crente está debaixo da condição da confiança em Cristo, e não sob a condição de sua presença visível; aqui temos apenas a fé, nos Céus, desfrutaremos tanto da fé como da visão, na presença de Cristo Jesus.

2 Coríntios 5-8: Temos boa conduta de vida, um bom ânimo em nosso destino, quando chegar a hora de estarmos ausentes deste corpo terreno, iremos para os Céus, viver com o Senhor Jesus Cristo.

Este versículo é a prova mais clara da Imortalidade de nosso ser espiritual, que é a Própria Pessoa (você).  Medite na afirmativa de Pedro: 2 Pedro1.14: Sabendo que brevemente hei de deixar este meu corpo físico, (tabernáculo) como também nosso Senhor Jesus Cristo já me tem revelado. Entenda esta Verdade: Hebreus 8.6-7: Mas Cristo, como ministro do céu, foi recompensado com um trabalho muito mais importante do que os que servem sob as leis antigas, pois o novo acordo que Ele nos oferece da parte de Deus contém promessas muito mais importantes, o velho acordo não deu resultado nenhum. Se tivesse dado, não teria havido nenhuma necessidade de outro para substituí-lo. Hebreus 9.15: NVI Por essa razão, Cristo é o mediador de uma nova aliança para que os que são chamados recebam a promessa da herança eterna, visto que Ele morreu como resgate pelas transgressões cometidas sob a primeira aliança. O homem é constituído de corpo, alma e espírito. A alma seria a sede emocional do homem, de sua porção intelectual – sua mente: Lucas 1.46-47: Disse então Maria: a minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador. O espírito significa a pessoa, ou seja, alguém, no caso Maria: a porção do homem que sobrevive. O corpo, enquanto terreno é dominado pela alma, ou pelo espírito. Seu ser espiritual que não participa da morte do corpo físico. Sabemos que somos seres imortais, tendo boa coragem para enfrentar a morte física na época própria. O Perdão de Deus é um Dom gratuito; quer você se considere uma boa ou má pessoa, lembre-se que Jesus Cristo morreu em seu lugar.

Escute o que Você tem feito pela tua eternidade?

2 Coríntios 5-9: Porém, acima de tudo, o que nós queremos é agradar o Senhor, seja vivendo no nosso corpo aqui, seja vivendo lá com o Senhor. Nem todas as pessoas se preocupam com essas realidades espirituais manifesta em suas vidas terrenas, estão mais preocupadas somente em satisfazer sua natureza humana. A verdade é que os lugares celestiais também são um lugar de progresso espiritual, e lá teremos a necessidade de agradar ao Senhor não menos do que aqui, ainda que de maneira diferente do que aqui ocorre agora, visto que nos Céus o pecado já foi dominado.

Romanos 8.9: Vocês, porém, não se permitam viverem somente como manda sua natureza humana, mas aprenda a viver como o Espírito de Deus quer se é que o Espírito de Deus vive realmente em vocês. Quem não tem o Espírito de Cristo não pertence a ele.Na Bíblia Você encontra as respostas para tuaVida.

2 Coríntios 5.10: JULGAMENTO DOS CRENTES

Todos nós teremos de comparecer diante de Cristo para sermos julgados e termos as nossas vidas reveladas, diante Dele. Cada um de nós receberá o que merecer pelas coisas boas ou más que tivermos feito através do corpo terreno.

É Ele quem nos observa quem contempla nossa carreira julgando os resultados disso. Ele estabeleceu padrões, determinadas regras de acordo com a vontade de Deus divulgadas na Bíblia.
O Senhor sabe que eu existo estando interessado naquilo que faço me recompensando ou me punindo. Esse julgamento será minucioso e cuidadoso, levando em conta todos os meus atos e palavras, e não apenas o caráter de minha vida. Ele nos revelará, tornando-nos manifestos diante de Deus, naquilo que tivermos praticado de bom ou de mal. Não é coisa pequena ter a própria vida revelada diante do Senhor, o qual passará sentença sobre cada coisa que tiver sido feita, dita ou pensada. Ainda, esse julgamento será moral, se esse julgamento não fosse revelador e cuidadoso, a justiça não seria feita. O mundo criado por Deus não pode ser caracterizado pelo caos; portanto justiça terá de ser feita. Do equilíbrio geral que será conseguido com o julgamento, será revelado nosso galardão (recompensa) Mateus 10.42: Esses galardões não se resumirão naquilo que receberemos, mas naquilo que seremos e que podemos fazer no estado eterno, significando nossa transformação segundo a imagem de Cristo, e, no grau de glória que atingiremos 2 Coríntios 3.18: GLÓRIA? Quer dizer honra fama adquirida por uma pessoa de acordo com suas obras e virtudes. É impossível pensarmos que o crente, por ter se saído mal em sua missão terrena, possa ficar estagnado por toda a eternidade. Esse pensamento não é correto; porquanto é destino de todo o cristão é atingir as perfeições de Cristo, participante como será de sua imagem e natureza: entenda que não estamos manifestando que o cristão perderá sua própria identidade; não: será respeitado o conjunto das suas características individuais que distinguem uma pessoa de outra, ver Romanos 8.29: Portanto, leitor, o julgamento dos crentes apenas indica o começo da posição deles na eternidade, e não um estado final; não podendo haver fim no processo da glorificação, pois também esse será uma realização contínua e não uma ocorrência isolada por ocasião da morte física. Apesar do julgamento dos crentes marcarem somente o começo do estado eterno, será um começo solene! Celebrado com pompa e suntuosidade, pois todos esses crentes remidos haverão de tomar parte da plenitude de Deus, de sua natureza, dotados de expressões de todos os seus atributos. Estagnação é essa vida caótica em que vivemos neste atual mundo em que a maioria “financia” uma casta de homens privilegiados, tendo acesso irrestrito ao que Deus colocou no mundo, para ser de todos! A Salvação dos crentes, a entrada nos lugares celestiais, não está aqui motivada, antes, a posição que o Crente ocupará lá nas regiões celestiais. Amigo, não duvide do que escrevemos Marcos 11.22: temos consciência de que a maioria das igrejas e seus pastores, muito pouco falam a respeito e ainda estão arraigados ao A.T. e os tempos espirituais são outros N.T. com Cristo Jesus. Deus nos conhece completamente, fazendo correta avaliação de nossas ações e motivos; e essa avaliação é positiva; mas temos a necessidade de convencer aos homens acerca disso. Diante de Deus estou completamente à vista. A convicção de que Ele me vê e de que um dia terei de prestar-lhe contas, me estimula, me anima ser sincero. O que manifesto a vocês é conhecido do Espírito de Deus, e espero que também seja conhecido por vossas consciências, porque diz respeito a vocês. Não duvide, nem por um instante, da grandiosidade da nossa salvação. Nem mesmo o julgamento poderá apagar esse pensamento de nossas mentes. Porém, teremos de enfrentar um protocolar começo. Espero que seja de conhecimento de todos, que, falar em lágrimas nos céus, em remorsos, abatimento da consciência em pessoas que perceberão terem cometido faltas erros – arrependimentos tardios – e coisas semelhantes Ver Lucas 16.27-31: É bem possível que essas coisas venham a ser apontado nesse começo, determinado pelo julgamento dos crentes. Porém, o que está em jogo não serão coisas triviais como um mau sentimento por causa duma conduta terrena deficiente. O que estará sendo averiguado é a própria natureza de nossa espiritualidade, o lugar que ocuparemos na participação, na natureza e nos atributos de Cristo. A porta está aberta, mas será um passo grandioso entrar pelos portais da eternidade. “.... aquilo que um homem semear isso também ceifará...” (Gálatas 6.7:) uma lei eterna e imutável. A revelação de tudo quanto tem estado em secreto, julgando as realidades e valores com imparcialidade; a determinação de cada homem segundo essa medida, do que cada qual merecer pelo bem ou pelo mal que houver praticado. E a nossa vida? Com o que temos consumido nossas vidas neste mundo? Quais têm sido nossos maiores desejos, esperanças; motivos que nos tem dominado? Pelo que temos trabalhado e usado nossas energias físicas e mentais. De conformidade com essas coisas é que seremos julgados diante do tribunal de Cristo. Enfrentar ao Senhor Jesus de mãos vazias, basta tal pensamento para que eu me sinta preocupado. O Senhor Deus resolveu que o nosso avanço na direção Dele deve ocorrer mediante desenvolvimento espiritual; e este é de tal natureza que sempre requer o consentimento da nossa vontade, porquanto Deus a ninguém transforma em robô. O Espírito de Deus nos ajuda, mas não nos força. Uma vez que permita aos impulsos do Senhor, o indivíduo experimenta uma transformação de caráter celestial que ultrapassa aos seus próprios poderes; mas, isso acontece somente aos submissos. Podemos estar certos que, no juízo da eternidade, somente os verdadeiros valores serão levados em consideração; e isso serve de advertência para todos nós. Neste versículo o que estamos tratando, naturalmente, refere-se aos remidos, quem recebe o perdão. Os crentes não serão julgados coletivamente, todos juntos, mas antes, individualmente, conforme os méritos de cada um. Esse juízo incluirá a revelação do ser do crente exatamente como ele foi; e os galardões serão distribuídos para cada qual nos termos exatos dessa avaliação. “... por meio do corpo...”. O corpo não é pecaminoso por si mesmo, embora se torne um instrumento fácil do pecado, conforme se aprende no sexto capítulo da epístola aos Romanos. Apesar de se tornar o corpo um instrumento fácil para o pecado, temos a responsabilidade de usá-lo apropriadamente, de discipliná-lo, de utilizá-lo para a glória de Deus. Tudo quanto fazemos aqui deve ser feito através do uso do corpo, e isso fala de tudo quanto praticamos na nossa vida diária, de nosso serviço cristão, do bem ou do mal que fizermos; seremos julgados perante o tribunal de Cristo, por tudo aquilo que tivermos praticado como seres mortais.

Atos 16.30.31: o que devo fazerpara ser salvo?

Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa.

Essa é a pergunta dominadora desta vida terrena. Ainda que tal indagação, com frequência tenha sido manipulada/ desprezada à categoria das especulações religiosas ou preconceitos fanáticos, na realidade não existe maior e mais importante averiguação entre os homens. Embora a sua importância tenha sido sujeitada a muitas interrogações, dúvidas e negações, a sua verdadeira importância é o tema central da existência. E, sendo ignorado pela grande maioria da humanidade, especialmente nessa nossa época de materialismo, todavia, em nenhum outro período da história os homens têm tanta necessidade de manifestá-la e de receberem a resposta divina, como em nossos próprios dias.

Qual é a razão pela quais muitos são chamados, mas poucos são escolhidos?

Escrito por Kathryn Albig

Como Você pode se tornar um escolhido?

Em Mateus 22.14: Jesus nos diz que “muitos são chamados, mas poucos escolhidos.”O que isto significa? Qual é a diferença entre ser chamado e escolhido? Como podemos ter certeza de que somos um dos escolhidos?

Mateus 22.1-14: A parábola da festa de casamento

Bem, Jesus realmente começa com uma parábola. Ele conta a história de um rei cujo filho estava se casando. Ele envia muitos convites de casamento, mas no grande dia, nenhum convidado apareceu. Quando o rei enviou seus servos para descobrir o que estava acontecendo com os convidados, descobriu-se que simplesmente não estavam dispostos a ir. Estavam mais preocupados em fazer o que queriam e até trataram o convite com total desprezo. O rei ficou furioso quando ouviu o relato de seus servos. Ele os mandou de novo, desta vez dizendo-lhes para convidar alguém que eles vissem nas ruas para o casamento. Então o casamento estava cheio de convidados. E quando um homem apareceu sem a roupa adequada, ele foi expulso. Este foi um dia de celebração especialmente significativo, era apropriado apenas se vestir adequadamente. Medite em Mateus 22: 1-14.

No final Jesus diz: “muitos são chamados, mas poucos escolhidos.”.

O que significa ser chamado?

A palavra “chamado” é usada várias vezes ao longo da Bíblia, em diferentes contextos. Neste caso, Jesus está usando a palavra “chamado” como um convite. Esta parábola é uma analogia de que fomos convidados. Um convite para algo mais que uma vida servindo apenas a nós mesmos. Um convite para viver uma vida junto com Cristo, servindo a Deus e experimentando a satisfação que traz à vida. Um convite para sermos discípulos de Jesus, para seguir seus passos. E, finalmente, um convite para passar a eternidade com Ele!Este é um chamado que Deus coloca no espírito e há muitas maneiras diferentes pelas quais as pessoas percebem isso. Qualquer um que tenha a chance de ouvir o evangelho e tomar uma decisão sobre se tornar ou não um discípulo é considerado um dos muitos que são chamados. Muitas pessoas recebem esse convite. Jesus deu aos discípulos a tarefa de sair e fazer discípulos de todas as nações. (Mateus 28.19:) Mas quem dentre esses muitos se tornam os poucos escolhidos?

O que significa ser escolhido?

Ser escolhido é aceitar o convite e fazer o necessário para participar da festa no Reino: desistir de tudo neste mundo. (Lucas 9: 23-24; Lucas 14:26) Isto é, dizer “sim!” ao chamado e depois segui-lo com uma vida de discípulo fiel. Deus nos chama, mas aqueles que são escolhidos são aqueles que aceitam de todo o coração o convite e suas condições manifestas na Palavra de Deus.

Por que há tão poucos que são escolhidos?

Porque muitos não querem pagar o preço! Jesus diz em outro lugar que a porta é estreita, e o caminho é difícil que leva à vida, portanto poucos escolhem esse caminho. (Mateus 7.13-14:) A razão pela qual é difícil é que temos que desistir de tudo neste mundo. Nosso egoísmo, nossas próprias ideias, opiniões, pensamentos e sentimentos, nossa própria vontade, nossos próprios desejos. Fazemos isso para sermos completamente obedientes à direção do Mestre.Para ser escolhido, você tem que mostrar que realmente quer essa vida com todo o teu espírito (coração). Você não pode reter um pouco do mundo, por relacionamentos, por sua busca pessoal, etc. É 100% obediência a Jesus; 100% de fidelidade. 100% a Vontade de Deus.

Certificando-se de que você é escolhido

Pedro escreve em 2 Pedro 1.10-11: Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme vossa vocação e eleição…Como fazemos isso? Fazendo as coisas que ele escreve um pouco antes nos versos 5-8: E vós também, pondo nisto mesmo toda a diligência, acrescentai à vossa fé virtude, à virtude a ciência, E à ciência a temperança, à temperança a paciência, à paciência a piedade, E à piedade o amor fraternal, ao amor fraternal caridade. Porque, se em vós houver e abundarem estas coisas, não vos deixarão ociosos nem estéreis no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo. Somente aqueles que realmente querem seguir a Jesus, seguindo Seus passos quando Ele os instrui, recebem a graça de fazer o que está escrito acima. Eles produzem frutos, que são as virtudes que são as próprias vestimentas nupciais que fazemos para nós mesmos, para que possamos aceitar o convite e nos vestir apropriadamente, para que não sejamos expulsos como o homem da parábola.

Nenhuma qualificação é necessária

Na parábola, o rei enviou seus servos para todos os tipos de pessoas. É o mesmo com o nosso convite. Não importa qual seja o nosso ponto de partida, quem somos, por natureza, quais são nossos conhecimentos, quais talentos temos ou não, que conhecimento temos, quais são nossas circunstâncias. A coisa que determina se somos ou não escolhidos é como respondemos ao chamado quando sentimos o convite de Deus em nosso espírito (coração), e que fruto temos como resultado.E o fim da nossa fé é que seremos irmãos de Jesus, coerdeiros com Ele de todas as coisas. Não apenas a vida eterna, mas seremos reis e sacerdotes juntos com Ele por toda a eternidade.Não se mostre inflexível à sua espiritualidade! Pra quê?

Hebreus 2.1: Por isso devemos prestar mais atenção nas verdades que temos ouvido, para não nos desviarmos delas.

Considerando-se a grandiosa origem de nossa salvação, considerando-se que não existe outra fonte, e que até mesmo os anjos dos céus estão envolvidos, procurando trazer essas realidades à nossa atenção, cumpre-nos dar desejosa atenção àquilo que tivermos ouvido da mensagem do Evangelho de Cristo. Portanto, uma maior atenção deve ser dada a Cristo e à sua Palavra, mais do que aquela que foi conferida à antiga revelação. Se uma pessoa respeitava os anjos, que foram medianeiros da lei, quanto mais devem os homens  respeitar a Cristo e à sua mensagem, dando-lhe mais atenção do que a lei mosaica. Se o teu bem estar espiritual é algo importante na tua existência, você deve dar ouvidos a Cristo e à sua mensagem com a maior atenção. Essa atenção é, realmente a aplicação da sua vida à mensagem a aos ensinamentos de Cristo. Aquilo que temos ouvido deve ser atendido e então posto em prática. Há uma vida cristã a ser vivida, e que é o resultado natural da fé em Cristo. Dar ouvidos à mensagem cristã significa dar, igualmente, atenção ao que ela implica na vida diária duma pessoa. A escolha é entre dar ouvidos ou afastar-se; e isso é deixado de maneira bem clara. O dar ouvidos deve incluir os atos de seguir e de se aplicar. Senão houver tal resultado o indivíduo não se demorará a desviar-se. Deve haver desenvolvimento e maturidade espiritual. O crente fraco e enfermiço corre o perigo de perder inteiramente a sua fé cristã. Então, há que haver uma obediência atenta, para que não pereçamos, para que não nos afastemos para longe de Cristo. Se tivermos cuidado, poderemos levar nossa vida ao bem estar eterno, à terra da segurança; mas, se nos mostrarmos negligentes nos afastaremos de nosso porto seguro. NB: não há nada de que Satanás tanto goste como de um crente negligente. E conhecemos por igual modo a tendência que têm nossss  naturezas de sermos levados ao sabor das coisas terrenas, para longe do evangelho. O desvio é um sinal de morte espiritual, dar ouvidos  é um sinal de Vida Espiritual.

Hebreus 2.3: Como é que nós escaparemos do castigo se desprezarmos uma salvação tão grande? Primeiro, o próprio Senhor Jesus anunciou essa salvação; e depois aqueles que a viram e os que ouviram nos provaram que ela é verdadeira.

“... COMO ESCAPAREMOS?...”. Da penalidade, do juízo decretado contra a negligência, contra desvio e contra a desobediência acerca das exigências do evangelho? A pessoa que não entrega a sua alma a Cristo, naquela atitude que chamamos de fé, se desviará e se rebelará: então terá de pagar penalidade contra isso. O julgamento eterno está em foco. É coisa séria ser favorecido pelo Deus Eterno; isso envolve uma imensa responsabilidade –  estamos falando de sua salvação, entenda! – e quanto mais isso se dá no terreno espiritual, porque, uma grande salvação nos foi dada no próprio Filho de Deus, a mais elevada provisão divina para os homens. É impossível conhecê-lo, ouvir a sua mensageme rejeitá-lo, avaliando o homem poder ficar imune à penalidade.
“...NEGLIGENCIARMOS?...”. É condenada a negligência que faz com que o Evangelho não seja vital na vida duma pessoa; então, há o desvio para a depravação moral, perversão, corrupção, indecência, desonestidade etc., de tal modo que é negada na vida dessa pessoa arealidade e o poder do evangelho, como foi dito no parágrafo anterior. A melhor defesa duma pessoa contra o afastamento do evangelho é apegar-se firme e resolutamente a Cristo, tornando-o centro de tudo, o sentido mesmo de sua(nossa) vida. Se não fizermos isso, ficaremos sujeitos ao perigo que é descrito neste versículo. Esse desprezo, também aparece manifesto na parábola de Mateus 22.1-14: Aqueles que foram convidados para a festa de casamento – para viver na eternidade – de várias maneiras desprezaram o convite. Assim, negligenciaram o evento solene de suas próprias vidas, porque havia várias coisas que lhes eram mais atrativas. “sic”. Você conhece Jesus?  Já experimentaste de maneira preferencial, fazer além do que você tem feito pela tua natureza interior, para que a tua existência após tua vida terrena seja “DE BEM CONSIGO MESMO”? Revele-se procurando conhecer a si mesmo.  Os interesses de Jesus são os teus interesses? Ele quer te levar para os céus, você o que tens feito? Cristo Jesus é tanto o caminho pra você, pra mim e a todos os que querem lhe seguir: Ele foi o pioneiro do Caminho para o Reino de Deus, nos céus. Mas, é você quem decide! Jesus assumiu nossa natureza humana e, na qualidade de homem, foi espiritualizado para compartilhar da divindade na qualidade de Deus-Homem, um novo modo de participação. É essa participação na divindade está manifestada a todos os homens tomar parte, inclusive você!  Esse caminho foi aberto a todos os homens que confiam Nele, tornando-os capacitados para receber sua herança, sua natureza e sua glorificação, medite em Romanos 8.17,29,30: Na realidade, Salvação, ser salvo é tornar-se aquilo que é o Filho de Deus é participando do que Ele possui. Então, esse é o mais elevado conceito que o homem deve assumir em sua vida. Exige arrependimento e perdão de pecados, mas esses são apenas meios para atingirmos a glorificação.            

2 Pedro 1.1-4: Simão Pedro, servo e apóstolo de Jesus Cristo, aos que conosco alcançaram fé igualmente preciosa pela justiça do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo: graça e paz vos sejam multiplicadas, pelo conhecimento de Deus e de Jesus, nosso Senhor. Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chama por sua glória e virtude, pelas quais Ele nos tem dado grandiosas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que, pela concupiscência, há no mundo, Para que as promessas de Deus se cumpram em nós.

Filipenses 2.12.c: Continuemos trabalhando com sentimento de respeito e obediência a Deus, para completarmos nossa Salvação.

A necessidade final de cada cristão ficar de pé por si mesmo. Cada crente terá de modo final de manter-se sozinho em seu desenvolvimento espiritual, prestando contas exclusivamente a Deus. Todos nós temos tido professores e outras pessoas influenciadoras em nossas vidas; e todos eles desempenharam funções necessárias. Porém, que faremos com as suas instruções, como as aplicamos, principalmente acerca das instruções espirituais que temos recebido, depende inteiramente de cada um de nós como indivíduos. Sim, chega um ponto, na vida de cada cristão, em que Ele tem de enfrentar o seu Deus sozinho. Chegado esse ponto, não poderá mais depender das experiências  de outros crentes. NB: o crente precisa tornar-se aquilo  que ele deve ser, dependendo diretamente de Cristo em sua alma. Apocalipse 3.20: Atenção! Eu tenho permanecido à porta e estou batendo constantemente. Se alguém me ouvir chamá-lo e abrir a porta, eu entrarei e farei companhia a ele, e ele a mim. A porta é a própria vida duma pessoa. É preciso que a pessoa dê permissão. No tocante ao que é espiritual essa porta aberta indica o exercício da vontade humana permitindo que o Espírito Santo nos conceda a presença transformadora de Cristo. A questão então é desenvolver nossa pessoa espiritual (2 Coríntios 4.16.b: combinado com 1 Coríntios 6.19-20:), por havermos sido salvos por Deus. Significa muito mais do que expressar externamente a salvação/eternidade que possuimos internamente, ou dar evidências de que somos convertidos. Todo procedimento espiritual que envolve a salvação duma pessoa, na realidade terá de ser efetuada mediante o exercício da vontade humana que acolhe e encoraja a vontade divina para que esta opere. A acolhida à vontade divina dá-se o nome de Fé.

O desenvolvimento de nossa salvação será o exercício de nossa fé. Deveis ter uma fé genuína; deveis permitir e encorajar o Espírito Santo para que realize a sua obra; deveis ser santificados, deveis desenvolver as virtudes morais, deveis ser transformados; deveis viver a vida caracterizada pelo amor. Do contrário não haverá salvação em vós. Desenvolvemos nossa salvação porque cada avanço na espiritualidade é relizada por nós, na medida em que vamos cooperando com o poder do Espírito de Deus; e, nenhum avanço pode ser atingido sem essa cooperação. Aquilo que é o mais básico dessa ideia é a de que somos responsáveis por cada passo de nossa salvação, incluindo a conversão, quando nos apegamos a Cristo; a santificação, quando permitimos que seu Espírito Santo nos torne santos; e, as boas obras, quando pomos em prática a lei do amor. Deus faz cada homem tornar-se um ser único, em si mesmo e em sua missão. É POSSÍVEL O FRACASSO?  O versículo deixa entendido que uma pessoa, uma vez convertida, pode falhar na aplicação de sua santificação, perdendo sua conversão, voltando ao mundo; ficando sem sentido, com uma advertência, que se torna mais vigorosa pela adição das palavras: “com sentimento de respeito e obediência a Deus – noutras versões “com temor e tremor”. 2 Pedro 1.10: Portanto irmãos, trabalhem com paixão para provar que vocês estão realmente entre aqueles que Deus chamou escolheu: assim vocês nunca perderão a firmeza, nem abandonarão a fé. A passagem de 1 Coríntios 9.27: mostra-nos que até mesmo um grande pregador pode ser desqualificado. Mas esmurro o meu corpo e faço dele meu escravo, para que, depois de ter pregado aos outros, eu mesmo não venha a ser reprovado”. SALVAÇÃO: É palavra que deve ser aqui entendida em seu sentido absoluto – a salvação da alma – eterno bem-estar nos lugares celestiais. Uma perseverança enérgica para que salvação seja vivida ou executada em nossas vidas. Precisamos temer – dedicar profundo respeito e obediência a Deus – ao Senhor afim de que, tendo recebido tão grande Graça, tão profundo conhecimento, tão multiplicados privilégios, acima de nossos semelhantes, no que diz respeito às realidades espirituais, venhamos a falhar, não dando prosseguimento à salvação, não a levando a sério, até onde esta vida terrena oferece oportunidade para tal aperfeiçoamento espiritual. 

Filipenses 2.13: Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade (ARC). Pois Deus está sempre agindo em vocês para que obedeçam à vontade Dele, tanto no pensamento como nas ações (NTLH). “... porque Deus é quem efetua...”. Manifesta o lado divino da Salvação, tal como o versículo anterior manifesta o lado humano. Pois Deus salva, mas o homem é salvo correspondendo à graça divina,como poderia o homem atingir a salvação dispondo apenas de seus próprios recursos? A graça divina, também significa a presença e o amor de Deus em Jesus Cristo, que é concedida a cada um de nós, através do Espírito Santo de Deus. “... efetuar em vós...”. Tudo quanto houver de bom em nós vem pela operação de Deus; como poderia ser de outro modo? A passagem de Gálatas 5.22.23: descreve diversos aspectos do “fruto do Espírito”, demonstrando-nos que faz parte da atuação divina fazer habitar em nós toda a natureza moral de Cristo.

A passagem de 2 Coríntios 3.18: ensina que o Espírito Santo nos transforma de vitória em vitória, de um estágio de glória para outro, levando a imagem de Cristo a ser finalmente duplicada em nós. Ora, isso nos faz observar com antecedência, não apenas como uma modificação por hipótese em nossa natureza humana, não! A modificação é real, de modo ter a mais importante característica do ser de Cristo; é totalmente impossível que o homem faça isso em seu próprio proveito, trata-se de um trabalho divino, espiritual, e não humano. Em seus aspectos práticos, a concretização do poder de Deus, que em nós reside, 1 Coríntios 6.19-20: nos fornece a base do encorajamento, bem como um incentivo para a espiritualidade; pois sabemos  que essa estupenda realização, chamada SALVAÇÃO, pode ser levada a seu término perfeito em nosso homem interior 2 Coríntios 5.1-9:, trata-se de uma realização divina, e não humana, como já escrevemos acima. A Salvação vai depender sempre da vontade humana (querer). Mas! “... o querer...”. Aqui os impulsos íntimos no espírito humano mediante o que um homem pode dizer “eu quero”, “eu espero”, “eu resolvo”. Todas essas afirmativas refletem a disposição, o desejo do indivíduo; o que é dito reflete o resultado direto da influência do Espírito Santo. Essas influências algumas vezes assumem formas visíveis, como sonhos, visões, dons espirituais diversos; mas, de outras vezes, através de um desejo sútil e íntimo, o qual apesar, de que não se percebe de imediato, nem por isso deixa de ser real. Portanto uma pessoa pode dizer: “Quero ser como Jesus”. E isso vem da parte do Espírito de Deus. E em seguida tal crente se torna mais e mais semelhante ao Senhor Jesus. E isso vem do Espírito Santo. Tudo é uma questão espiritual, isto é, verifica-se mediante contato genuíno do divino com o humano. “... o realizar...”. Deus leva a bom termo aquelas coisas que desejamos e queremos, contanto que elas envolvam bençãos espirituais autênticas; e ao cumprirmos assim a vontade de Deus, nós mesmos vamos sendo transformados de tal modo que passamos a praticar o bem, pelo impulso de nossas próprias naturezas, mas sempre sob a orientação do Espírito de Deus, tal como Cristo por sua própria natureza praticou o bem. Assim, pois, desejamos e praticamos o bem, e igualmente vamos sendo transformados em pessoas caridosas, misericordiosas. Agostinho escreveu: “Nós desejamos, mas é Deus que implanta em nós esse desejo; portanto, agimos, mas Deus é quem age em nós”. Entenda, não estamos como que abandonados à nossa própria sorte para conseguirmos a nossa Salvação: o homem através de sua natureza humana é quem pensa dessa forma, e nada vai conseguir como aprendemos no estudo desses versículos. Sua natureza espiritual necessita estar em conexão com o Reino de Deus. O fazer, realizar, no presente contexto, diz respeito àquelas realidades que acompanham a salvação, levando-nos à perfeição, a vida moral, a santificação; mas, de maneira geral, todas as coisas contribuem para produzir uma vida leal a Cristo, sendo isso que determina o grau de glorificação (honra) que receberemos, quando entrarmos nos lugares celestiais. Assim, Deus leva à perfeição aquelas disposições de amor que Ele mesmo implantou em nós, a fim de que não sejamos improdutivos espiritualmente falando, conforme Ele nos prometeu por intermédio de Ezequiel 11.20: Para que andem nos meus estatutos, e guardem os meus juízos, e os executem; e eles serão o meu povo, e Eu serei o seu Deus. “...segundo a sua boa vontade...”. O sentido destas palavras precisa ser norteado pelo significado que o trecho de Efésios 1.5,9: diz: a concretização de seus propósitos soberanos e graciosos para com os homens, na redenção humana, oferecida na pessoa do Senhor Jesus. Essa é a vontade de Deus, e esse é o seu prazer; sendo manifestado de muitas maneiras nas vidas diárias das pessoas. Portanto, aprendemos que a vontade divina não envolve uma preferência arbitrária, antes, tem alvos específicos e benéficos no que diz respeito aos homens. Todas essas realidades estão unidas ao amor paternal de Deus, operando em nós na qualidade de filhos seus; e suas operações levam-nos ao bem estar final, a salvação do homem interior.

www.semeandoapalavradedeus.com
Solicite estudos bíblicos através de nossas revistas
[email protected] deus.com

Semeando a Palavra de Deus
Caixa postal 30003 Cascadura – RJ CEP 21350-970